quarta-feira, novembro 03, 2010

(não) Escrevo ...

Não escrevo para me ler(em).
Temo que as palavras me escapem por entre os dedos
Feito areia fina do deserto
Que fujam a sete pés ou que apenas flutuem à superfície;
Que se esgueirem por entre as brechas da minha memória
E desatentas resolvam chamar-me à razão
Me digam as verdades escondidas que tanto quero calar
Me ralhem e me desnudem e possam dizer-me o que não quero escutar
Por isso, a maior parte dos dias fecho-as placidamente a sete chaves
E alimento-as, tão só, a pão e água para que definhem nas masmorras profundas e escuras.
Quero-as fracas, quebradiças e resignadas à sua sorte.
Encarceradas e prisioneiras
Condenadas à própria morte
Para que não se amotinem em assaltos nas minhas entranhas
Nem  desfaçam as minhas amarras que tanto trabalho me deram a tecer
E onde me contenho a muito custo e esforço.
A ferro e fogo, a sangue e lágrimas
Não escrevo para me ler(em).
Calo-me às letras: evito as profundezas das frases
Nas quais tendo a estender-me e perder-me
Contorno as palavras, escrevo, dito, falo e faço tudo ao contrário
Do que habitualmente faria
E faço de conta que não estou em casa.
Enxoto adjectivos, sujeitos e complementos,
Como pedintes que espreitam à socapa pelo óculo da porta.
Desactivei-me temporariamente.
Deletei-me por fim
E fiz um restart
Receio que as palavras, matreiras, rafeiras
Me fintem, me levem ao engano, ao absurdo
Ou pior ainda, me encantem feito sereias dançantes,
Estendendo-me na mão conchas, flores e colares
Oferecendo-me a bandeira branca da paz
Ou que me deiem a sua outra face.
Não suporto quando se insinuam,
Nem que se dispam e rodopiem no varão da minha imaginação demente.
Feito stripers sensuais que seduzem, aquecem e depois desaparecem
Tenho medo do que possa encontrar de mim, nelas.
Tenho medo de  procurar nelas, em mim
Tenho medo de me encontrar a mim, nelas
Não escrevo para me ler(em)...
Escrevo para não me ler(em)...

Um comentário:

João disse...

acho que percebo e partilho do que dizes.