domingo, novembro 07, 2010

Comer, orar, amar

Hoje vi este filme que achei absolutamente delicioso! A história, as personagens, as paisagens magníficas, a mensagem do filme, e a juntar, a tudo isto dois grandes actores que eu tanto admiro!!!
Fez-me pensar que há situações e pessoas que passam pela nossa vida que podem nos provocar desequilíbrios, no entanto esse é essencial para nos levar ao (nosso) equilíbrio, porque afinal não há equilíbrio sem desequilíbrio e vice-versa!! A aceitação destas situações evita muito sofrimento e ressentimento, assim como dar espaço a nós próprios para que consigamos encontrar o equilibrio junto dos outros!
Mais ainda,  vivemos numa sociedade tremendamente egoísta e que tem uma extrema dificuldade para compreender o conceito de AMAR. As pessoas confundem Amor com a necessidade de preencher vazios, por receio de terminarem sozinhas, mas as mágoas, as frustrações e as escolhas erradas do passado e do presente acabam muitas vezes por revelar que afinal, não havia sentimentos assim tão profundos. No entanto, nada fazem, nenhuma atitude tomam, e passam a viver em função de algo ou alguém, mas quando o objecto do seu apego desaparece, perdem o norte, parecendo que lhes tiraram o tapete debaixo dos pés, quando afinal foi apenas o Universo que resolveu tirar a bengala e gritar: agora levanta-te e caminha sozinho/a!
De facto, tudo é fácil, excepto quando complicamos. A felicidade não depende, MESMO, do dinheiro, muito menos de andar a viajar. O filme mostra o caminho que essa mulher tomou, mas, isto não significa que todos devam seguir a mesma via. Não existe um manual para encontrar a felicidade. A protagonista no final, pensando ter encontrado o equilíbrio, quase deixou escapar a possibilidade de ficar com o homem que amava!
O que nos enriquece é o viver, neste processo, lidarmos com muitas pessoas, e estas relações irão ensinar-nos no futuro a saber quem somos e para onde desejamos caminhar...
De tanto querer o ideal (dinheiro, trabalho, sucesso, viagens, etc), a maioria de nós acaba se esquecendo do mais importante, que é: -  simplesmente viver.
Quando saírem hoje à rua, tomem atenção ao mundo... Parem de buscar a felicidade e sejam (apenas) felizes. Quem sabe no próximo desequilíbrio não encontrem o vosso equilíbrio?!! Porque afinal comer, orar e amar fazem partem do nosso (des)equilíbrio!!! São três formas essenciais e magníficas de dar alimento ao corpo, à alma e ao espírito...

"Amemos porque o Amor é um santo escudo".
 (Autor desconhecido)